sexta-feira, 9 de outubro de 2015

BRASIL: Por que o Brasil busca aproximação com a Colômbia?

  • 9 outubro 2015
Image copyrightAP
Image captionDilma tem agenda intensa em Bogotá, com foco em temas econômicos e comerciais
Em meio ao acirramento da crise política no Brasil, a presidente Dilma Rousseff desembarcou em Bogotá para uma visita focada na cooperação econômica e comercial com a Colômbia.
A passagem de apenas um dia por Bogotá não deve dar a presidente exatamente um descanso após semanas de grandes mudanças no governo, derrotas no Congresso e no Tribunal de Contas da União e intensas articulações políticas.
Dilma terá uma agenda cheia que inclui um café da manhã com empresários, visita à casa onde Simon Bolívar viveu, encontros com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, com representantes do Congresso e da Suprema Corte, assinatura de acordos bilaterais e um discurso de encerramento em um seminário empresarial.
Por outro lado, ao menos a agenda e as manchetes dos jornais locais devem ser um pouco mais positivas do que as que Dilma vêm enfrentando no Brasil.
"Essa crise brasileira não é algo que receba muito destaque na Colômbia ou que atraia a atenção do colombiano comum", diz Enrique Serrano, professor da Faculdade de Relações Internacionais da Universidade del Rosario.
"Mesmo a visita de Dilma deve ter pouca repercussão: nesta sexta-feira poderia apostar que o grande tema de conversas por aqui será o jogo com o Peru (das eliminatórias da Copa 2018)."
Serrano diz que o Brasil ganhou espaço nos noticiários colombianos durante o governo Lula, pelo estilo mais expansivo da política externa do ex-presidente, que algumas vezes se colocou como interlocutor com a Venezuela e até enviou helicópteros para ajudar no resgate de reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).
"Com Dilma a relação voltou ao que até então era seu 'normal': um certo distanciamento no campo político, um isolamento que aumentou com esses problemas internos brasileiros. Mas isso não necessariamente é ruim do ponto de vista de Bogotá: pelo peso do Brasil na região, havia quem visse com desconfiança o fato do país se ocupar de temas que afetavam diretamente a Colômbia na gestão Lula."

Colômbia x Argentina

Com uma das economias que mais crescem na América Latina, a Colômbia está em uma espécie de disputa com a Argentina pelo posto de terceiro maior PIB latino-americano (atrás do Brasil e do México).
As expectativas para o crescimento das economias brasileira e colombiana neste ano são invertidas: enquanto analistas esperam que o PIB da Colômbia cresça de 2% a 3%, no Brasil a projeção é de queda da mesma magnitude.
Com a visita de Dilma, o governo brasileiro agora busca uma aproximação com foco econômico além de um aprofundamento de algumas iniciativas de cooperação técnica.
Image copyrightAP
Image captionDilma terá uma agenda cheia que inclui um café da manhã com empresários e encontros com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos
"A Colômbia hoje é a terceira força na América do Sul e os números indicam que em 2020 ela venha a passar a Argentina como segunda força. O Brasil não pode, como primeira força da região, ficar longe da Colômbia", disse David Baroni Neto, Presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), logo após desembarcar em Bogotá acompanhando Dilma.
"Esta já é a segunda missão à Colômbia em menos de 60 dias. O interesse é muito grande no mercado local."
Segundo uma nota do Itamaraty, devem ser assinados nesta visita acordos na área de facilitação de investimentos, comércio automotivo, agricultura e segurança alimentar, educação e pesquisa científica.
"Esta visita da presidente vai marcar um novo momento nas relações, um relançamento", disse o Ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, que também está acompanhando a presidente.
"Temos uma perspectiva de finalmente celebrar um acordo na área automotiva, extremamente importante para os dois países e seguimos trabalhando nas áreas de serviços e contas públicas e também celebrando um acordo na área de investimentos".

Tarifas

Na área comercial, também espera-se que seja acordada uma aceleração do cronograma de redução das tarifas de um acordo de complementação econômica que já existe entre os dois países – o ACE 59.
Image copyrightReuters
Image captionAcordo de paz com as Farc pode abrir oportunidades de negócios para o Brasil na Colômbia
"O grande desafio é descongelar o cronograma de desgravação (espécie de 'agenda' que determina ritmo da redução progressiva de alíquotas de taxas de importação) que estava congelado. A partir de um acordo dos setores têxteis e siderúrgicos vamos retomar a desgravação e esperamos antecipar esse movimento de forma que o comércio esteja integralmente desgravado até 2017", disse Monteiro.
Outro tema na agenda é a cooperação do Brasil em um cenário de pós-conflito com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).
Em setembro, o governo colombiano e a guerrilha estipularam um prazo de 6 meses para alcançar um acordo de paz definitivo.
Os colombianos teriam grande interesse na experiência brasileira de apoio à agricultura familiar por acreditarem que ela pode ajudar trabalhadores rurais das zonas hoje controladas pela guerrilha, estabilizando essas regiões.
Serrano acrescenta que também deve haver um mútuo interesse em expandir a questão da cooperação militar para lidar com grupos criminosos que atuam na região da fronteira, ou colaboram entre si.
"Sendo a crise política e econômica brasileira tão complexa, é natural que passe relativamente desapercebida em muitos países, entre eles a Colômbia - a não ser que haja um evento internacional de peso atraindo as atenções para o Brasil, como foi o caso da Copa do Mundo", diz o cientista político colombiano Carlos Medina, da Universidade Nacional da Colômbia.
"Mas é claro que isso vale para a opinião pública em geral. Entre as elites políticas colombianas e nas universidades acho que há, sim, uma preocupação crescente sobre o que uma desestabilização no Brasil pode representar para o resto da região. Sem dúvida, todos perdemos.
Fonte:bbc/Brasil
Home Ads