quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

LAGO DE SOBRADINHO: Pouca água em Sobradinho afeta abastecimento e produção irrigada

O sertão vai virar mar; Dá no coração; O medo que algum dia; O mar também vire sertão - Trecho da música Sobradinho, de Sá e Guarabyra.
A seca do São Francisco fez o reservatório de Sobradinho chegar ao mais baixo nível em quase 40 anos (Foto: Agência Brasil/EBC)
A seca do São Francisco fez o reservatório de Sobradinho chegar ao mais baixo nível em quase 40 anos (Foto: Agência Brasil/EBC)
EDWIRGES NOGUEIRA
Agência Brasil
Do alto, quem vê a barragem de Sobradinho encontra imensas tubulações que se estendem lago adentro e conectam a água do reservatório a um canal. A obra, implementada pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), é uma ação emergencial para evitar o desabastecimento do Perímetro Irrigado Senador Nilo Coelho. Criado em 1984, o perímetro tem 23 mil hectares divididos entre pequenas, médias e grandes empresas nos municípios de Petrolina, em Pernambuco, e Casa Nova, na Bahia.

“Essa é uma situação emergencial em que a gente não pode tomar uma decisão nem tão antecipada, porque não temos certeza sobre a chuva, nem tão tardia. Nós ficamos nesse dilema sobre qual o momento certo de arregaçar as mangas, mas parece que acertamos”, diz o gerente de empreendimentos de irrigação da Codevasf, Carlos Pinheiro. Devido ao baixo nível de Sobradinho, há um risco de que o canal de aproximação destinado ao perímetro irrigado não consiga mais captar água.

Água para o perímetro irrigado - A obra consiste na instalação de dez bombas flutuantes para pegar água em um ponto mais profundo de Sobradinho. A água passará pelas cinco linhas adutoras e seguirá, por meio de um canal de 2,4 mil metros construído à margem do lago, para distribuição aos produtores. “O São Francisco é nosso pai e nossa mãe. A fruticultura está visceralmente ligada ao rio. Se o rio falhar, temos um efeito dominó”, compara Leonardo Cruz, engenheiro civil responsável pela fiscalização da obra.

Sobradinho (BA)- Implementada pela Codevasf, a obra de captação de água consiste na instalação de dez bombas flutuantes que irão retirar o recurso em um ponto mais profundo do reservatório de Sobradinho (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Estima-se que a fruticultura irrigada no Nilo Coelho gere 45 mil empregos diretos e indiretos e mais de 400 mil toneladas de alimentos por ano – uma produção de R$ 1,1 bilhão anual. Com a construção do canal e instalação das bombas, mesmo que Sobradinho chegue a 0% de seu volume útil, será possível contar com os cerca de 6 bilhões de metros cúbicos de água que constituem o volume morto.

O empresário Sílvio Medeiros também ficou no limiar entre o que fazer e quando fazer para evitar prejuízos na sua fazenda. Ele produz uva e manga em 600 hectares no perímetro irrigado. Quando percebeu que o baixo volume de água em Sobradinho poderia afetar sua produção, providenciou a compra de equipamentos para a instalação de uma adutora. “Em maio, percebemos que o nível do lago estava muito baixo comparado a anos anteriores. Foi um momento de pânico.”

Graças à chuva que vem alimentando a nascente do Velho Chico, a quantidade de água em Sobradinho vem aumentando, mas ainda lentamente. Segundo o boletim diário de acompanhamento da Bacia do São Francisco, divulgado pela ANA, a capacidade do reservatório estava em 1,98% no dia 23 – vinte dias antes, o volume do lago estava em 1,11% de sua capacidade.

Segundo o Inmet, neste mês, até o momento, choveu 200 milímetros na cabeceira do rio. A média histórica de dezembro é 300mm. “A perspectiva é boa. Espera-se que ocorra chuva em janeiro, mas não deverá ser suficiente para suprir o déficit dos reservatórios. Vamos torcer para que esse período chuvoso esteja dentro da média histórica”, aguarda o meteorologista Claudemir de Azevedo.


Com a chegada de água nova, o canal do perímetro irrigado segue captando recursossuficientes para os produtores. “Temos perspectivas de que o nível do lago estabilize, mas não é uma situação confortável para os próximos anos”, explica Carlos Pinheiro. Estima-se que a vazão afluente de Sobradinho (água que entra no reservatório vinda da nascente do rio) esteja em torno de 1.200 m³/s. No mesmo período de 2000, a vazão chegou a 1.800 m³/s.

Situação diferente - Fora da área do perímetro irrigado, a situação é diferente. Em Casa Nova, próximo à sede do município, 86 produtores se reuniram em uma associação e construíram um canal para bombear água para as propriedades. A água de Sobradinho não está chegando ao Lago São Vitor, uma pequena barragem onde as fazendas captam o recurso para irrigação.

“Sobradinho costumava ter um nível estável e todos os anos o Lago São Vitor era abastecido, ficando entre 50% e 60% da capacidade. Não tínhamos problema com água. Somente em 2004 houve uma situação parecida, mas este ano foi o pior de todos. Fomos obrigados a fazer uma pequena transposição para não faltar água para os produtores”, relata Fernando Marins, presidente da associação de produtores do Lago São Vitor.

Fonte: jornaldamidia
Home Ads