quinta-feira, 28 de abril de 2016

Dilma Rousseff decide não fazer transição com vice


Presidente Dilma Rousseff
O Palácio do Planalto e a cúpula do PT já começaram a traçar estratégias de reação a uma eventual gestão do vice-presidente Michel Temer e decidiram que não farão qualquer tipo de transição de governo. A ordem no Planalto para todos os ministérios controlados pelo PT é deixar Temer “à míngua”, sem informações sobre a administração, e acelerar programas em fase de conclusão para que sejam lançados pela presidente Dilma Rousseff. Em reunião a portas fechadas com o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, e com o presidente do PT, Rui Falcão, deputados foram informados na quarta-feira, 27, de que a atual equipe não vai respaldar um governo “ilegítimo” e, por isso, não haverá transição para Temer. Até arquivos com dados estratégicos da administração estariam sendo apagados.Com a certeza de que Dilma será afastada por até 180 dias no primeiro julgamento no plenário do Senado, que deve ocorrer em 11 de maio, governo e PT já preparam os próximos passos do divórcio litigioso. A ideia é reforçar a estratégia de carimbar Temer como “golpista” e “vice 1%”, numa referência à sua falta de densidade eleitoral.O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu a Dilma, com quem almoçou na quarta, um “pente-fino” em todos os programas sociais dos 13 anos do PT no governo, desde o seu primeiro mandato. A intenção é bater na tecla do legado do partido, com vitrines como Bolsa Família e Minha Casa Minha Vida, em contraposição ao programa “ortodoxo” de Temer, que, no diagnóstico dos petistas, prevê mais sacrifícios aos menos favorecidos.Apesar de ser alvo da Operação Lava Jato e ter perdido capital político, Lula é o único nome forte de que o PT dispõe para a sucessão presidencial de 2018 e tudo será feito pelo partido para construir a narrativa de que Dilma foi “apeada do poder”.
Estadão Conteúdo/politicalivre
Home Ads