OUÇA A NOSSA WEB RÁDIO SENTO SÉ AGORA - AO VIVO

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Ipea realizará estudo sobre atingidos por barragem

Representantes do Movimento dos Atingidos por Barragens foram recebidos no Instituto. Pesquisa começará pela represa de Sobradinho

Na última quarta-feira, 9 de março, representantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) foram recebidos na sede do Ipea por diretores e técnicos do Instituto. O objetivo do encontro foi estabelecer o cronograma de uma pesquisa que fará o diagnóstico da dívida social do Estado brasileiro com os atingidos pela Barragem de Sobradinho, na Bahia.

O diretor do Ipea José Eduardo Elias Romão disse que o projeto tem consistência dentro do Instituto, não só no aspecto metodológico, mas na densidade política. “É o primeiro trabalho de campo que será feito para tentar mensurar essa dívida social e nós entendemos que essa parceria com o Ipea vai nos dar argumento, inclusive, para dar sequência em outros lugares”, afirmou Ivani Della Costa, do MAB.
O projeto
O projeto é fruto de um compromisso firmado entre Ipea e Ministério da Integração Nacional, com a parceria da Universidade de Brasília. Ele tem como desafio construir um primeiro diagnóstico sobre a Barragem de Sobradinho e, posteriormente, ampliar o trabalho para outras barragens no país.

O termo nasceu do acordo firmado em 2012 pela Secretaria Geral da Presidência da República (SGPR) e o MAB, em que foram estabelecidas metas para atender às reivindicações dos atingidos por barragens. Além de desenvolver a metodologia, o Ipea foi incumbido de participar dos esforços para a efetiva realização deste 

Nossa reportagem conversou hoje pela manhã com a senhora Marta responsável pela pesquisa a ser realizada em todos os municípios da borda do lago de Sobradinho, quando então, será feito um diagnóstico social, economico e cultural dos Atingidos pela Barragem de Sobradinho (BA). 
Até o final do mês de Abril, uma reunião publica deverá acontecer nas dependências da Câmara de Vereadores para esclarecimento à população e autoridades locais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário