segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

BRASIL: Lava Jato: multa de R$ 500 milhões emperra acordo de leniência da OAS

Uma multa de R$ 500 milhões é o entrave para o acordo de leniência da empreiteira baiana OAS na Lava Jato. De acordo com o jornal O Globo, investigadores da força-tarefa em Curitiba optaram por não continuar as tratativas por entenderem que os fatos oferecidos pelo grupo não têm apelo para fechar acordo e por considerarem que a empreiteira não tem dinheiro para pagar a multa milionária.
Na balança, o obstáculo para fechar o acordo de leniência teria sido a falta de informações relevantes para as investigações. A empresa está em recuperação judicial desde 2016. Os salários dos executivos da alta cúpula, que chegavam a R$ 200 mil, foram extintos e eles saíram da empreiteira.
Um dos principais motivos para a queda de receita foi a prisão e o afastamento de Aldemário Pinheiro, o Léo Pinheiro, sócio e ex-presidente que está preso pela segunda vez desde setembro de 2016. 
Léo Pinheiro tenta fazer acordo de delação premiada, as negociações foram interrompidas após vazamento de informações, mas foram retomadas neste ano.
Com saúde financeira comprometida para acordo de leniência, a construtora estaria priorizando os acordos de executivos. Segundo o jornal fluminense, o ex-diretor jurídico Bruno Brasil é um dos candidatos a fazer delação premiada. Ele promete relatar crimes envolvendo o Judiciário, um dos principais temas que a OAS se comprometeu a entregar. Brasil foi afastado do grupo após dar inicio às tratativas de sua delação. A fila inclui ainda os acionistas que controlam o grupo, César Mata Pires Filho e Antonio Carlos Mata Pires.
Bocaonews
Home Ads