sábado, 20 de janeiro de 2018

BAHIA: Guia do Campeonato Baiano: Conheça destaques e expectativas dos dez participantes

por Matheus Caldas / Leandro Aragão
Guia do Campeonato Baiano: Conheça destaques e expectativas dos dez participantes
Foto: Matheus Caldas / Bahia Notícias
Segundo estadual mais antigo do país, atrás apenas do Paulista, o Campeonato Baiano terá início neste domingo (21), com quatro partidas – o jogo entre Jacuipense e Fluminense de Feira foi adiado para o dia 14 de fevereiro. Ao todo, serão dez equipes que brigarão pelo título e pelas vagas na Copa do Brasil, Série D e Copa do Nordeste. O Bahia Notícias produziu um guia para que o torcedor conheça os destaques e entenda como cada time se preparou para que a bola role a partir deste final de semana.

Atlântico
Disputando sua segunda edição da elite baiana, o Tubarão de Lauro de Freitas, como é conhecido, fará sua estreia contra o Vitória da Conquista, às 16h, no Barradão, na preliminar da partida entre Vitória e Juazeirense. No comando técnico, o nome mais conhecido: Ricardo Silva, vice-campeão da Copa do Brasil 2010 à frente do Rubro-negro baiano. 

Para chegar ao time ideal, o clube fez o monitoramento de jogadores em novembro. Cerca de 100 atletas foram avaliados até dezembro, quando o grupo final foi definido. Neste mês, houve um jogo-treino contra o Vitória. O time da Região Metropolitana foi derrotado por 2 a 1. Antes, um triunfo contra o sub-20 do Leão por 3 a 1.

Presidente da agremiação, Zé Carlos projeta que seu time seja uma surpresa nesta temporada. “Estamos focando em estar no G4. É importante ganhar uma vaga em uma competição nacional pela visibilidade e pela questão financeira”, disse, em entrevista ao Bahia Notícias.

De acordo com Ricardo Silva, a equipe não deve ter muitas alterações em relação ao amistoso contra o Vitória. "O time está treinando todos os dias. Já temos um time base que entrou no jogo treino contra o Vitória. Se nenhum imprevisto acontecer daqui até lá ou algum atleta se machucar, será aquele mesmo time", explicou.

Destaque: Ricardo Silva (técnico)

Time base: José Augusto; Michel Alexandrino, Abdala, Uesles e Vicente; Magno (Luan / Jean), Antônio Carlos, Michel Tiago e Igor; Matheus e Vitinho. Técnico: Ricardo Silva



Ricardo Silva treina o Atlântico | Foto: Divulgação

Bahia de Feira
Campeão da competição em 2011, o Tremendão não conseguiu mais repetir uma boa campanha desde então. No entanto, o clube investe em estrutura. Construindo seu próprio estádio desde 2016, há a possibilidade de inaugurá-lo ainda neste Baianão. Enquanto isto não acontece, o técnico Quintino Barbosa trabalha a equipe para a disputa do estadual. O treinador adotou um discurso comedido sobre a expectativa de levantar novamente o caneco. "Todos os clubes entram pensando no título. Claro que essa coisa de querer ser a terceira força na Bahia existe aqui. Querer o título é buscar, lutar, ter foco, saber das dificuldades que vão encontrar. Se vamos conseguir, aí já é outra história", ponderou.

O time feirense vem com alguns nomes conhecidos do futebol baiano. O goleiro Jair e o volante Fausto, ex-Flu de Feira e Bahia, estão no elenco, assim como o zagueiro Menezes, que também já atuou no Tricolor da capital. 

Há pouco mais de um mês em pré-temporada, Barbosinha crê que o lado psicológico seja a principal preocupação no primeiro momento. “Uma estreia é sempre uma estreia, trabalhamos o emocional dos atletas. Mas tirando a ansiedade, parte emocional, está indo tudo tranquilo. A equipe já tem um espelho para jogar. Contra o Bahia será um jogo grande, para homens, e esperamos fazer um bom jogo", concluiu.

O adversário será o xará de Salvador, às 16h, no Joia da Princesa.

Destaque: Jair (goleiro)

Time base: Jair; Bruno, Meneses e Misso; Fausto, Naldo, Carlos Magno, Caio; Deon e Robert. Técnico: Quintino Barbosa




Jair trocou o Touro pelo Tremendão | Foto: Matheus Caldas / Bahia Notícias

Bahia
Maior campeão baiano, com 46 títulos, o Bahia chega com "fome" para levantar o troféu do campeonato depois de dois anos vendo o rival Vitória vencer a disputa. O presidente do clube, Guilherme Bellintani, desconsiderou o retrospecto do Rubro-negro nas últimas duas temporadas e garante que chega neste primeiro ano de gestão com o intuito de levar o Baianão. “Quem tem a hegemonia do Campeonato Baiano é o Bahia. É o time mais vencedor de estaduais entre todos os clubes de Série A. Vamos trabalhar esse ano para vencer e colocar mais esse título na estante do Esporte Clube Bahia”, pontuou.

Para Guto Ferreira, técnico da equipe, a pré-temporada foi feita com qualidade. "Os dias foram proveitosos, conseguimos desenvolver, houve uma entrega grande, um nível de concentração alto, e o mais importante, a gente fecha sem lesões. O que nos tirou jogador foram as bolhas, o que é normal. Mas, ainda assim, fechamos esse primeiro ciclo de uma forma produtiva. Agora é criar as estratégias para seguir alimentando os jogos e tendo que buscar resultados”, destacou.

Após bater na trave pela disputa da Copa Libertadores, a agremiação reforçou o elenco. O volante Nilton, bicampeão brasileiro com o Cruzeiro, foi repatriado. Outros destaques foram as chegadas do lateral da seleção chilena, Eugenio Mena, ex-Sport, e do goleiro Douglas, titular na meta do Avaí, em 2017. Peça importante no ano passado, o meia Zé Rafael permaneceu mesmo com o assédio do Corinthians.

O Tricolor estreia no estadual contra o xará de Feira de Santana, o Bahia de Feira, às 16h, no Joia.

Destaque: Zé Rafael (meia)

Time base: Douglas; João Pedro, Lucas Fonseca, Tiago e Léo (Mena); Edson (Elton), Nilton (Vinícius) e Régis; Zé Rafael, Élber (Hernane) e Edigar Junio. Técnico: Guto Ferreira



Destaque em 2017, Zé Rafael permanece no Bahia | Foto: Max Haack / Ag. Haack / Bahia Notícias

Fluminense de Feira
Semifinalista nos últimos dois anos, o Flu de Feira adotou a tática do mistério no início da temporada. O clube demorou para divulgar os contratados, mas investiu em nomes conhecidos do torcedor baiano, a exemplo do volante Diego Aragão, ex-Vitória da Conquista, e do goleiro Deola, principal contratação do Touro, que foi campeão da competição em 2013 com o Vitória. Do elenco do ano passado, permaneceram o lateral-direito Edson, o volante Rogério e o atacante Luiz Paulo.

Técnico vice-campeão pernambucano com o Salgueiro em 2017, Evandro Guimarães foi o incumbindo de comandar a equipe neste ano. Ele comentou sobre a preparação do clube feirense. "Preparação de temporada é sempre mais difícil, porque nos preparamos para duas ou três competições. Foi dura, difícil, de muito trabalho, mas na medida do possível foi boa. Claro que teve coisas que não puderam ser feitas, outras que conseguimos", comentou.

Guimarães preferiu não fazer projeção de desempenho para o Touro nesta edição do Baiano. "Temos que esperar a bola rola para identificar como vai ser a competição. Os atletas primeiro identificam a competição, se vai ser mais de luta, mais técnico ou mais tático. A partir daí eles adotam o espírito do campeonato e a postura que devem ter", ponderou.

Destaque: Deola (goleiro)

Time base: Deola; Edson, Raniere, Eduardo e Daniel; Rodolfo Potiguar, Mourelândia, Rogério e Mário Lúcio; Dinda e Roberto Pitio (Luiz Paulo). Técnico: Evandro Guimarães



Deola atuará no futebol baiano pela segunda vez | Foto: Divulgação
 

Jacobina
Clube que mais fez o jogo do mistério na pré-temporada baiana, o Jacobina fará sua estreia contra o Jequié, no Estádio José Rocha, às 16h. À frente do time, estará Orlando da Hora, que acumula também a função de executivo de futebol do clube. 

Toda a pré-temporada do time foi feita na cidade de João Dourado, onde amistosos foram feitos com times da região – o Jegue da Chapada venceu todos os jogos. Segundo o presidente Rafael Damasceno, esta tática foi adotada para surpreender os adversários na competição. “A gente viu a evolução da equipe. Fomos muito bem recebidos na região. Vencemos todos os jogos. Claro, o Campeonato Baiano, com times profissionais, é diferente. Mas já dá para ter uma noção. Optamos também por ficar longe dos holofotes e não chamar atenção dos adversários. Foi uma opção para que sejamos também a surpresa do Campeonato Baiano”, explicou.

De acordo com o cartola, a equipe montada tem plenas condições de chegar às finais do certame. “A gente, pelo menos no campo, percebe que montamos uma equipe melhor que 2017. Temos as experiências dos erros que cometemos no ano passado. Renovamos toda a equipe. Procuramos fazer uma equipe mais rápida, jovem e veloz. Mantivemos apenas três jogadores”, disse.

Destaque: Vitinho (meia)

Time base: Fernando; Cássio, Léo Breno, Maicon e Da Silva; Ferrugem, Reinaldo, Deivison e Vitinho; Teco e Maicon. Técnico: Orlando da Hora




Torcida é o trunfo do Jegue da Chapada | Foto: Robson Guedes / Jacobina Notícias

 

Jacuipense
Último classificado à Série D deste ano, o Jacuipense se transferiu para Salvador para fazer seus treinamentos, embora continue mandando os jogos em Riachão do Jacuípe. Para o presidente da agremiação, Felipe Sales, esta mudança no planejamento fez com que a preparação se tornasse mais forte. “A gente teve uma pré-temporada bem intensa com diversos jogos-treino, amistosos e atividades que implicaram numa melhora física perceptível”, celebrou.

Para Sales, o Leão do Sisal chega para brigar com Bahia, Vitória e Juazeirense pelo título estadual. “Eu acredito que a gente brigue nas cabeças pelo título, mesmo sabendo do favoritismo de Bahia e Vitória e da Juazeirense, que é um time que desponta hoje como uma das grandes equipes do estado, por estar na Série C. A gente acredita que brigaremos com eles, Conquista, Fluminense e alguns outros times pelo título”, projetou.

Destaque: Danilo Rios (meia)

Time base: Jordan, Paulinho, Lídio Chacon, Jefferson Lobo e Maxwell; Róbson Simplício , Daniel Alves Birungueta e Danilo Rios; Índio e Felipe Fidêncio. Técnico: Jonilson Veloso



Ex-dupla Ba-Vi, Danilo Rios é o principal jogador do time | Foto: Divulgação

 

Jequié
Caçula da competição, o Jequié volta a disputar a elite baiana após 21 anos. Campeão da Série B estadual, ao vencer o PFC Cajazeiras, a ADJ fará sua estreia contra o Jacobina. No último final de semana, o time venceu um amistoso contra o Vitória da Conquista por 3 a 1 e encheu de esperanças o torcedor, que é um dos destaques para esta edição do Campeonato Baiano.

Presidente do Jipão, o deputado estadual Leur Lomanto Júnior se alegra com a possibilidade de jogar contra os melhores times da Bahia, mas se mostrou cauteloso em relação ao desempenho do clube neste retorno. “Cheio de expectativa. Depois de 20 anos, o Jequié volta à elite do futebol baiano. E a gente tem procurado fazer um trabalho sério. Desde o dia 11 de dezembro, quando nós iniciamos nossa pré-temporada, que estamos trabalhando muito a parte física, os treinamentos, a dedicação dos atletas... E a gente espera, sabendo e reconhecendo as dificuldades financeiras, principalmente nós que estamos chegando agora à elite, superar isso tudo e fazer um bom campeonato”, declarou.

Destaque: Arthur Caculé (atacante)

Time base: Léo (Gustavo), Getúlio, Correia, Railon e Arnold; Wesley, Felipe Sertânia, Juninho e Peixoto; Arthur Caculé e Marcelo Pano. Técnico: Eduardo Bahia


Jequié promete ter casa cheia em todos os jogos do Baianão | Foto: Divulgação
 

Juazeirense
Após ascender à Série C do Campeonato Brasileiro, o primeiro time do interior baiano a conseguir um acesso nacional tenta manter a regularidade a nível estadual. Goleiro e capitão do time, Tigre endossa esse discurso. "A Juazeirense vem em uma crescente boa, mantendo uma base com trabalho coerente. Isso tem ajudado muito o clube a crescer. A responsabilidade é de todos. A Juazeirense se tornou a terceira força da Bahia e temos que batalhar para manter o que fizemos de certo. Queremos crescer cada dia mais", indicou. 

Em relação ao ano passado, muitas caras novas. A principal contratação foi o lateral-direito Adriano Apodi, ex-Bahia, que chegou a ser anunciado por Atlântico e Jequié, mas acabou optando pelo Cancão de Fogo.

A estreia do time de Juazeiro será contra o atual campeão baiano, o Vitória, no Barradão, às 18h30, após a preliminar entre Atlântico e Vitória da Conquista.

Destaque: Júnior Gaúcho (volante)

Time base: Tigre, Adriano Apodi, Emílio, Eron e Altemar; Vaguinho, Capone, Júnior Gaúcho e Enercino; Salatiel e Danilo Caçador. Técnico: Luiz Antônio Zaluar



Polivalente, Júniog Gaúcho é remanescente da campanha de acesso do Cancão | Foto: Glauber Guerra / BN

Vitória
Bicampeão baiano, o Leão teve poucas mudanças em relação ao ano passado. No time titular que venceu o Globo-RN por 2 a 1, na estreia da Copa do Nordeste, nove remanescentes do time que permaneceu na Série A do Brasileirão – apenas os laterais Lucas e Bryan estrearam. Para o técnico Vagner Mancini, no primeiro momento, o time ainda não terá o encaixe perfeito. “Eu acho que a pegada que o time veio no final de 2017, talvez, demore um pouco mais, embora o espírito da equipe tenha que ser esse. O Mancini não admite que não seja controlada intensidade. Mesmo quando você tem erros técnicos, táticos, de organização de jogo, que é normal no começo de ano, não pode deixar de ser aguerrido, que se entregue em campo. Isso é princípio básico. Mas acho que para um time ter uma cara, ele tem que ter, pelo menos, 20 dias de treinamento e uns cinco ou seis jogos. Nós temos dez dias de treinamento e apenas um jogo. Contra o Globo, acho que o Vitória fez um bom jogo dentro das possibilidades. Só não foi dominante dentro da partida de 25 minutos [do primeiro tempo] até o intervalo. Em todos os outros momentos [o time] dominou a partida. E essa oscilação é normal. Espero que para o quinto ou sexto jogo a equipe já tenha um nível de jogo aceitável”, analisou, em entrevista coletiva.

Perguntado sobre a importância do título estadual, Mancini, que levantou o caneco em 2008, criticou o formato "desgastante" da competição. "A importância é relativa. Tem muita importância para o torcedor. Nós temos um arquirrival, o torcedor não quer ver o seu time ser derrotado e perder o Estadual. Dentro do aspecto profissional, jogar o Baiano paralelo com a Copa do Nordeste gera um desgaste muito grande para todo mundo. E aí, muita gente fala: 'Mas o atleta não quer jogar?' Quer jogar! Mas nós passamos um pouco da conta porque é necessário que você tenha um elenco maior e possa, de repente, abrir mão de um atleta em alguns jogos. E isso também te dá possibilidade de usar os jogadores da base. Hoje, nós temos alguns incorporados, outros que vão voltar da Copa do São Paulo e vão ser agregados. Ele [o Estadual] tem importância sim porque, no início do ano, faz com que você possa abrilhantar o estado com Bahia e Vitória jogando em várias cidades, mas não deixa de ser desgastante. É um modelo que precisa ser repensado. Você tem uma Copa do Nordeste que, teoricamente, te possibilitaria ter um crescimento para chegar no Brasileiro com um patamar diferente. É obvio que Bahia e Vitória, no estadual, jogam contra equipes de menor poderio tecnicamente, taticamente. Mas não é por isso que os jogos são fáceis, são disputadíssimos, a dificuldade existe em cada partida dentro e fora de casa. Espero que o Vitória, entendendo a competição, possa fazer uma de 2018 muito bacana”, explanou. 

Destaque: Santiago Tréllez (atacante)

Time base: Fernando Miguel, Lucas, Wallace, Kanu e Bryan (Juninho); Uillian Correia, Fillipe Soutto (Lucas Marques) e Yago; Neilton (Denilson), Kieza e Tréllez. Técnico: Vagner Mancini


Artilheiro em 2017, Tréllez já marcou na sua estreia pelo Vitória em 2018 | Foto: Maurícia da Matta / Divulgação

Vitória da Conquista
Vice-campeão em 2015, o Bode armou um time para novamente fazer uma boa campanha. Pelo menos é o que pensa o técnico da equipe, Washington, ex-jogador de clubes como São Paulo, Fluminense e Atlético-PR, que faz sua estreia como treinador no clube baiano. “A expectativa é muito grande e muito boa. O Conquista é sempre muito forte e é considerado uma das forças do interior. Temos que, no mínimo, manter o time nesse padrão. Mas temos que buscar algo a mais e é para isso que estamos trabalhando. Respeitamos todos, temos times fortes, mas temos que pensar que o Conquista está num patamar muito bom e tem que melhorar para buscar os objetivos que nós queremos”, disse.

O Conquista trouxe atletas conhecidos do torcedor baiano, como os ex-Vitória Romário, Edson Magal e Gabriel Soares, o ex-Atlético-PR Allan Bahia e o atacante Flávio Caça Rato, que teve uma passagem de destaque pelo Santa Cruz. Para Washington, no entanto, a situação física do grupo ainda não é a ideal.  “A preparação foi excelente. Tivemos um tempo importante para preparar principalmente fisicamente os jogadores. Tínhamos 90% com quase seis meses sem jogar. Então, esses 45 dias se tornam pouco, por esse tempo que eles ficaram inativos. Mas, mesmo assim, acredito que começaremos o campeonato numa porcentagem boa, principalmente física. Aí, é claro, depois levaremos técnica e taticamente. Mas acho que a preparação foi muito bem feita”, concluiu.

Destaque: Flávio Caça Rato (atacante)

Time base: Leandro; Dionísio (Romário), Lúcio, Gilson e William Santos; Edimar, Allan Bahia e Beleu; Tatu, Rafamar e Caça Rato. Técnico: Washington


Caça Rato é a estrela do Conquista | Foto: Luciana Flores / Divulgação

BN
Home Ads