quarta-feira, 30 de maio de 2018

BRASIL: DATAFOLHA: 87% dos brasileiros apoiam paralisação, mas não querem "pagar a conta"

por Isabela Rocha no dia 30 de maio de 2018 às 08:55
Foto: Reprodução
Uma pesquisa Datafolha divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo nesta quarta-feira (30),  revela que 87% dos brasileiros apoiam a paralisação dos caminhoneiros e acham que o movimento deve continuar. No entanto, a população não se mostra disposta a arcar com as consequências das concessões cedidas pelo governo para que o movimento acabe.

O levantamento foi realizado por telefone com 1.500 pessoas, nesta terça-feira (29). A margem de erro é de três pontos para mais ou para menos. Ainda de acordo com a pesquisa, 10% dos entrevistados são contrários à paralisação, 2% são indiferentes e 1% não soube opinar.

Mais da metade (56%) das pessoas que responderam ao questionário acredita que a greve dos caminhoneiros deve continuar, contra 42%, que defendem o fim. O apoio aos manifestantes ocorre de forma homogênea em todas as regiões do país, caindo um pouco entre os mais ricos e mais velhos.

Enfraquecido, o movimento segue para o seu décimo dia nesta quarta-feira (30). A paralisação dos caminhoneiros é em protesto contra o preço do diesel, que é regulado pela Petrobras. O aumento do preço do petróleo e a alta do dólar geraram uma série de ajustes recentes.

Incomodados com a alta carga tributária, 92% dos entrevistados consideram o pleitos dos caminhoneiros justo. O índice é de 57% mesmo entre aqueles que são contra o movimento. Para 50% dos entrevistados, os caminhoneiros são mais beneficiados do que prejudicados pela paralisação. 60% acreditam que as transportadoras têm mais prejuízos.

O cidadão se vê mais prejudicado (43% a 33% dos que se acham mais beneficiados) pessoalmente. 56% dos entrevistados acham que o "brasileiro em geral" é mais prejudicado.

Também segundo a pesquisa, o brasileiro não concorda em ser penalizado com o aumento de impostos e corte de gastos do governo para atender aos pedidos dos caminhoneiros. Apenas 10% dos ouvidos aprovam as medidas anunciadas, contra 87%. Os entrevistados acreditam que o governo esteja favorecendo empresários e caminhoneiros, e prejudicando a população.

Fonte: radardabahia
Home Ads