quarta-feira, 25 de julho de 2018

Ciro diz que foi mal interpretado e que quer ‘restaurar o império da lei’

Após ser criticado por juristas e analistas, o candidato à Presidência da República Ciro Gomes (PDT) afirmou que as declarações de que, se eleito, colocaria o Judiciário e o Ministério Público de volta em suas “caixinhas” foram tiradas de contexto para gerar intrigas. Na ocasião, também disse que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva “só teria chance de sair da cadeia se a gente assumir o poder”. As declarações foram dadas em Ananindeua, no Pará, onde o candidato participou da convenção estadual do seu partido nesta quarta-feira, 25, e são uma resposta às informações reveladas em reportagem do jornal O Estado de S. Paulo.
No Pará, o pedetista disse que essa declaração foi tirada do contexto. “Quando eu disse a gente, eu não quis dizer eu. Quis dizer os democratas, os que têm compromisso com o Estado democrático de direito, com o restabelecimento da autoridade, do império da lei que, no Brasil, parece estar completamente deformada”.
Segundo ele, o termo caixinha foi uma figura de linguagem usada para explicar que Judiciário e Ministério Público “não podem se meter em tudo”. “Isso é uma expressão que todo mundo conhece. Só a fraude tenta fazer esse tipo de intriga. No Brasil, está cada um trabalhando fora da sua caixa”, disse o candidato.
Ciro defendeu, ainda, a necessidade de restaurar “o império da lei”. “O Judiciário julga, o Legislativo legisla e o Executivo executa. Não é possível que o Judiciário queira executar. (Não é possível) que no Brasil cada prefeito esteja subordinado ao constrangimento, à humilhação de um jovem membro do Ministério Público que, ainda que de boa fé, deforme reputações, se meta onde não deve. O País não aguenta mais essa baderna”, declarou pouco antes de subir ao palanque.
No dia 20, a convenção nacional do PDT confirmou sua candidatura ao Planalto. Ainda falta definir quem será o vice.
Viagem
Ciro Gomes desembarcou na manhã de quarta-feira em Belém e seguiu para um ginásio no município de Ananindeua, na região metropolitana, onde era esperado por membros do PDT e também pelo prefeito da cidade, Manoel Pioneiro, do PSDB. Outro convidado especial da convenção do PDT foi o pré-candidato ao governo do Estado pelo DEM, Márcio Miranda. No Pará, o PDT apoiará Miranda, que terá como vice um nome a ser indicado pelos tucanos.
Indagado sobre a aliança, o pedetista afirmou que “o Brasil é uma federação complexa” e que, no Pará, o objetivo é derrotar o MDB. No Estado, a sigla tem como candidato ao governo o ex-ministro Helder Barbalho, filho do senador Jader.
O PDT negocia também aliança com o PSD, partido que apoiou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. “Se olhar para trás, é quase impossível (explicar a aliança para os eleitores), mas estamos olhando para frente”. Indagado se as alianças não deixariam os eleitores confusos, afirmou que “o povo brasileiro é mais inteligente do que julga o nosso vão jornalismo”.
Fonte:ação popular

Home Ads