sexta-feira, 21 de setembro de 2018

O medo das demissões em prefeituras da região depois das eleições começa a deixar servidores traumatizados

Da Redação do AP

A situação nas prefeituras do país não anda nada boa devido a queda de receita, e para complicar mais ainda, prefeitos são obrigados à empregarem cabos eleitorais de deputados e vereadores, ocasionando assim, engessamento da máquina pública.
Nesta semana dois deputados estaduais na capital baiana estavam conversando quando um alertou o outro para que mantivesse contato urgente com o prefeito de seu município porque teria recebido a informação de que uma longa lista de funcionários contratados estava pronta para serem demitidos até o final deste mês. Preocupado, o deputado ligou, deu esculacho no gestor e pediu para que ‘não cometesse tal loucura’, que deixasse para o dia 8 de outubro porque a sua reeleição estaria em risco. ‘Um dos prefeitos da região norte pretendia colocar seu projeto diabólico a partir da próxima segunda-feira para evitar pagar mais um mês de folha.’
Ainda de acordo informações chegadas a redação do AP, até os próprios vereadores da base já estão assustados e preocupados pelo o que pode acontecer nos próximos dias. Mas o processo de corte de despesas nas prefeituras não está apenas em demitir, inclui também a suspensão de contratos e parcerias – inclusive com a imprensa -, empresas prestadoras de serviços que esburacaram a cidade e estão maquiando a construção de postos de saúde, quadras poliesportivas, escolas, pavimentação de ruas, revitalizações de praças e parques ecológicos, limpeza de barragens – a exemplo do que está acontecendo na região -, pavimentação de estradas vicinais, promessas de instalações de poços artesianos, etc. O que na verdade está havendo é um golpe para enganar o eleitor e depois das eleições o sacrifício será geral. Imagine o final de ano de cada uma dessas pessoas, o clima dentro de suas casas com filhos em escolas, etc…
Fonte: acaopopular
Home Ads