sexta-feira, 19 de outubro de 2018

PF encontra indícios de envolvimento do PCC com esfaqueador de Bolsonaro

por Isabela Rocha no dia 19 de outubro de 2018 às 08:36
Foto: Reprodução
A principal linha de investigação da Polícia Federal (PF) é que o PCC, maior facção criminosa do país, pode estar envolvido com Adélio Bispo de Oliveira, homem que deu uma facada em Jair Bolsonaro há um mês em Juiz de Fora, Minas Gerais . Segundo informações, Adélio tem sido atendido por uma defesa exemplar que já atuou, anteriormente, na defesa de membros da facção.
De acordo com pessoas próximas do inquérito 503/2018, há indícios de que a organização criminosa esteja dando auxílio ao acusado. Entre os apontamentos estão vínculos de amizades de Adélio, as atividades dos advogados que atendem o réu, o histórico de personagens envolvidos e até mesmo o discurso adotado por Bolsonaro.
“Veim”, como é chamado o membro do PCC, é amigo de Adélio. Os dois se conheceram em Montes Claros, onde ambos nasceram e cresceram. Até este ano, ainda mantinham contato por meio de redes sociais. “Veim” tem passagens por homicídio e já cumpriu pena no Presídio Regional de Montes Claros.
Outro fato que levanta suspeita é o comportamento de Pedro Augusto de Lima Felipe, advogado que, segundo o jornal, já se encontrava na delegacia em que Adélio foi registrado. Inicialmente, o acusado recusou ser atendido pelo jurista. Lima chegou a tentar convencer Adélio de que havia sido enviado pela mãe do autor da facada, mas Adélio riu: a parente faleceu em 2012. Depois, segundo testemunhas, os dois se reuniram em separado e, então, Lima passou a atuar como defensor no caso.
Além de Lima, participam da defesa do agressor Zanone Manuel de Oliveira Júnior, Marcelo Manoel da Costa e Fernando Costa Oliveira Magalhães. Magalhães já teria defendido, nos últimos anos, pelo menos três membros do PCC que foram condenados em Minas: Anderson Francisco Ferreira Pereira, André Luiz Pereira, conhecido como “Dezinho”, e José Geraldo Soares dos Santos Júnior, o “Vá”. Os defensores negam as ligações com o grupo criminoso.
Essa é a primeira vez que a Polícia Federal admite, no papel, estar investigando suspeitas relacionadas aos advogados que apareceram para defender Adélio. Da mesma forma, é a primeira vez que a parte sigilosa da apuração sobre a suposta participação do PCC vai parar formalmente nos autos como uma importante linha do inquérito. 

Fonte: radardabahia
Home Ads