Peitando o MPF: Ano letivo não começou em comunidades da zona rural de Sento-Sé com dinheiro do FUNDEB chegando a cada mês

Retiro de Baixo - Sala Avançada Sancho Santiago
Já estamos no mês de maio, e as aulas ainda não começaram para os alunos das comunidades de Tombador, Retiro de Baixo e Retiro Cima, zona rural de Sento-Sé. A denúncia é do presidente da Associação dos Pequenos Agropecuarista e Pescadores de Tombador Cima, Antônio Moreira dos Santos (Totonho), que procurou órgãos da imprensa e redes sociais para manifestar a sua indignação. Antônio Moreira também vai oferecer denúncias formal aos Ministérios Públicos Estadual e Federal, e ao FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), na próxima segunda feira (06), para responsabilizar a prefeita Ana Passos e os gestores educacionais pelos prejuízos impostos aos estudantes.

Antonio Moreira - Pres. da Associação
Em Tombador de Cima funciona o núcleo escolar João Leopoldo, que atende alunos do 1º ao 9° ano, de Tombador e Retiro de Baixo. A mesma situação se repete em Retiro de Cima, com os estudantes do ensino fundamental. Um grupo de mães de Retiro de Cima afirma ter procurado a secretaria de educação de Sento-Sé, mas nada foi resolvido, nenhuma previsão foi dada para o retorno das aulas. Os comunitários dizem que desde janeiro, foram iniciadas obras de pintura nas escolas, mas até agora não foram concluídas, motivo pelo qual os dirigentes justificam os atrasos. No último dia 01/04, a prefeita visitou os locais, vistoriando as obras, mas também não solucionou o problema.
De acordo com o cronograma escolar de Sento-Sé, as aulas tiveram início no dia 11/02 e encerram-se no dia 13/12. A LDB (Lei de Diretrizes e Bases), que regulamenta a Educação no Brasil, determina que as escolas devem cumprir pelo menos 200 dias letivos anuais, distribuídos em dois semestres.
As reformas são interessantes, mas devem ser programadas para as férias. O saber estar sempre em primeiro lugar, afirmou Totonho.
FONTE: acaopopular.net
Tecnologia do Blogger.