BAHIA SERÁ O PRIMEIRO ESTADO DA FEDERAÇÃO A IMPLANTAR UMA CORPORAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR E CIVIL TOTALMENTE TERCEIRIZADA PARA AUXILIAR NAS ATIVIDADES NORMAIS E EM CASO DE GREVE DA POLÍCIA ESTADUAL

O governador do Estado da Bahia, Rui Costa(PT), deverá encaminhar nos próximos dias, autorização para início de tratativas, na Secretaria Estadual de Segurança Pública, e posteriormente para a Assembleia Legislativa da Bahia, projeto de lei para a criação da (PMCT – Polícia Militar e Civil Terceirizada), para atender a proposta encaminhada hoje 26/09/19, pelo presidente da (FPB – Frente Popular da Bahia), militar da reserva interativa da Aeronáutica, e Marinheiro Mercante Auxiliar, Eniédson Ferreira, que teve a iniciativa da proposta, que tem como objetivo auxiliar nas atividades normais e em caso de greve da polícia estadual, para que a população baiana não fique refém de policiais grevistas, agindo fora da lei.
O estado da Bahia, vive sob constantes ameaças de greve, por parte da polícia militar e civil pública, numa total afronta a lei militar, que proíbe a greve.
Uma das propostas para não haver vedação na Constituição seria a corporação ser formada exclusivamente por militares da reserva das forças armadas, Marinha Exército e Aeronáutica, pois já são militares treinadas e especializados, mão de obra disponível, que o governo federal forma todo ano, e poderão ser requisitados tanto pela polícia militar pública, quando pelas forças armas, para atuarem num regime militar diferenciado, através de uma (PPP- Parceria Público Privada), entre a União, Estado e Município, desta forma o governo do estado poderá extinguir concurso público para a polícia, pois o mesmo se tornou nocivo para o estado e as viaturas, armamentos e equipamentos diversos poderão ser locados desonerando a folha de pagamento e o estado, seria criado uma empresa que terá um contrato e/ou convênio com estado, mas os militares desta corporação não terão vínculo empregatício com o estado.
Devido a vários fatores negativos destas corporações a (ONU – Organização das Nações Unidas), vem recomendando a extinção da polícia militar no Brasil.
A (ASPRA/BAHIA - Associação dos Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia), promoveu em 2001 uma greve que tornou uma das mais sangrentas carnificinas da história da Brasil, com mais de 100 pessoas mortas, inclusive houve relatos, de que a própria polícia, estaria matando para provocar pânico na população, além dos saques a estabelecimento público, privado e residências.
A (ASPRA), não contente promoveu em 2014, nova greve com mais mortes e saques trazendo prejuízos imensuráveis, e o estado não reparou danos as famílias que tiveram seus entes queridos mortos, e prejuízo material permanecendo inerte na situação que demonstra a falência do estado neste quesito, já que o executivo, Ministério Público e a Justiça, pouco ou nada fez, para conter esta sanga da corporação, que troca vidas humanas, inclusive de familiares deles mesmos, por migalhas de aumento salarial.
Neste ano de 2019, voltou a ameaça e o pesadelo da polícia, em fazer nova greve e o cidadão que paga impostos, não pode ficar refém de nenhuma classe, inclusive da polícia, que é uma força auxiliar da Forças Armadas, que não pode fazer greve.
Nas redes sociais internautas civis e militares se posicionaram a favor da terceirização da atividade policial que já existe várias atividades na corporação que já são terceirizadas.
Nossa reportagem entrou em contato com a assessoria do coordenador da (ASPRA/BAHIA) e deputado estadual Soldado Marco Prisco Caldas Machado, mas até o fechamento desta matéria, não retornou contato, (Eniédson Ferreira – Jornalista – DRT- 4897/BA).
FONTE: jornallapadigital

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.