Pesquisadores apontam que, quase 60% da população de Petrolina e Juazeiro pode se infectar pelo novo coronavírus até início de setembro

Na contramão dos números do novo coronavírus (Covid-19) em Pernambuco, Petrolina – juntamente com a vizinha cidade de Juazeiro (BA) – ainda apresentam dados preocupantes em relação ao avanço da doença. Pelo menos é o que aponta o Grupo Modelos Matemáticos para Covid-19 (GMC-Vasf), formado por pesquisadores da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), que se debruçam diariamente sobre os números oficiais da pandemia nas duas principais cidades do polo.
O último boletim (nº 6/2020), divulgado no último dia 17/07, mostra que permanece uma tendência de aumento de casos de pessoas infectadas e também do número de óbitos nos municípios. No cenário estimado para esta sexta-feira (24) – já que esse levantamento do grupo é realizado semanalmente às sextas – o número de infectados pela doença deverá variar entre 4.622 e 4.995 pessoas.
O número de óbitos previsto para a mesma data irá variar em torno de 99 a 109 casos. De acordo com os dados do estudo, cerca de 60% da população da região estaria infectada pela Covid-19 na primeira semana de setembro. O boletim mais recente também confirmou as estimativas que haviam sido apontadas para a semana passada, período em que foram confirmados 3.602 casos de pessoas infectadas e 90 óbitos na região.
Um dos integrantes do GMC-Vasf, professor Paulo de Carvalho, do Colegiado de Engenharia Agrícola e Ambiental, explica que as estimativas que constam nos boletins, disponíveis no site do grupo de pesquisa, refletem a situação da região e são obtidas por meio de modelos matemáticos ajustados aos dados disponibilizados pela Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape) e Secretarias de Saúde das duas cidades. Ele esclarece que as medidas adotadas para o controle da doença não são sentidas de forma imediata. “Em média, as medidas adotadas levam 15 dias para surtir efeito. Portanto, os números mostram o impacto de ações que foram tomadas duas semanas antes, a exemplo de um afrouxamento no isolamento social ou de uma maior rigidez nestas ações”, observa.
O grupo utiliza um conjunto de modelos matemáticos distintos e faz o cruzamento das informações para chegar à variação média divulgada a cada semana. “São equações já consolidadas e utilizadas no mundo inteiro para estudos epidemiológicos”, frisa. O pesquisador destaca também que esta é a primeira semana que o grupo utiliza a média móvel – que é a média aritmética dos sete dias anteriores, para fazer as estimativas, o que possibilita uma maior confiabilidade dos números por diminuir a influência da variação dos dias.
Relatório mensal
Além do boletim semanal, o GMC-Vasf elabora um relatório mensal com uma análise mais abrangente e aprofundada sobre a situação da pandemia nas duas cidades, incluindo a disseminação da doença pelos bairros. O estudo visa a subsidiar o poder público com informações que podem contribuir para a elaboração de políticas públicas e estratégias de enfrentamento e combate ao novo coronavírus. A expectativa, segundo indicam os dados, é que o período de queda nos números da Covid-19 na região seja alcançado a partir do início de agosto.
Grupo multidisciplinar de pesquisadores que reúne docentes e estudantes de pós-graduação da Univasf, o GMC-Vasf deu início ao trabalho de análise dos dados em maio e a divulgação do primeiro boletim ocorreu em meados de junho. Os pesquisadores utilizam os números do ‘Report sobre o avanço do Covid-19 no Brasil e no mundo’, da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape), da Secretaria de Saúde (Sesau) de Juazeiro e do Grupo de Pesquisa em Doenças Infecciosas e Negligenciadas do Vale do São Francisco (GPDIN) da Univasf para analisar a evolução da pandemia de Covid-19 na região. Os dados da pesquisa são divulgados no site e nas redes sociais (Instagram, YouTube e Twitter) do GMC-Vasf.
FONTE: remanso-noticias

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.